Libério Rodrigues Moreira

Libério Rodrigues Moreira

Biografia Sumária do

Servo de Deus Libério Rodrigues Moreira

(1884-1980)

 
O Servo de Deus nasceu no dia 30 de junho de 1884, em Lagoa Santa (MG), filho de Joaquim Rodrigues de Castro e Francisca Moreira da Costa. Foi batizado na Igreja Matriz da Paróquia Nossa Senhora da Saúde, em Lagoa Santa (então pertencente à Arquidiocese de Mariana – MG), no dia 17 de julho de 1884, pelo Revmo. Sr. Padre Odorico Antônio Dolabella, tendo sido padrinhos Felício Moreira da Silva e Maria Francisca de Lima, conforme certidão emitida pelo Revmo. Sr. Padre Joaquim Miranda, Pároco da centenária Paróquia, hoje circunscrita na Arquidiocese de Belo Horizonte.
Padre Libério passou sua infância ao lado dos pais, em Lagoa Santa, onde frequentou a Escola do Mestre Raimundo Nonato Corrêa, ainda no tempo da palmatória. Participava assiduamente das missas dominicais, bem como da mesa da eucaristia; sempre obediente e até tímido, como testemunha Padre Carlos Pinto da Fonseca, que o conheceu e com ele conviveu por muito tempo.
O biógrafo Sr. Márcio Mendonça Meireles que com ele conviveu, sendo seu vizinho na Rua Maestro Espíndola, 363 em Pará de Minas, atesta que a família do Pe Libério era mesmo muito pobre e humilde e residia numa casa de chão batido, na antiga Rua do Rosário, num dos bairros da periferia da cidade de Lagoa Santa.
Por volta dos 7 anos de idade, ficou órfão de pai, que sempre enxergara no filho exemplo de dignidade. A infância do Pe Libério foi triste e cheia de dificuldades. Ainda jovem exerceu o ofício de carreiro em diversas fazendas nos arredores de Lagoa Santa. Terminado o curso escolar, o Pe Libério passou a exercer toda espécie de ofício. Qualquer um lhe servia desde que lhe rendesse certa quantia para ajudar na manutenção da casa. Na juventude, Padre Libério trabalhou como carreiro em diversas propriedades rurais em Lagoa Santa.
Em 1902, aos 18 anos de idade, Pe Libério mudou-se então para Mateus Leme, onde trabalhou como servente de pedreiro e depois como pedreiro meia-colher. Nas horas disponíveis Pe Libério servia o primo como sacristão. Foi então nesta época que Pe Libério sentiu um forte chamado ao sacerdócio, pressentindo que sua vocação era a mesma do primo, e manifestou o desejo de ir para o seminário. Pe Libério não foi antes para o seminário porque não dispunha de recursos financeiros para custear seus estudos.
Padre Joaquim Paulo Vieira, primo do Pe Libério, se dispôs a custear os seus estudos, e além do mais, ganhara uma bolsa de estudos da Arquidiocese de Mariana, no início de 1906. Aos 22 anos de idade, Pe Libério seguiu para a cidade de Mariana, onde ingressou no seminário para cursar os estudos necessários para a ordenação. Dentre os colegas de turma, Pe Libério era o mais velho e também o mais pobre e o mais humilde. Logo, Pe Libério granjeou a simpatia dos colegas, que lhe emprestavam os livros para que estudasse.
Tendo, ao longo de 10 anos cursado humanidades e as matérias do curso eclesiástico, isto é, filosofia e teologia, Pe. Libério recebeu a tonsura no dia 07 de março de 1913, as ordens menores no dia 28 de março de 1914, o subdiaconato 20 de março de 1915, diaconato no dia 06 de abril de 1915, e aos 32 anos de idade, no dia 25 de abril de 1916, na Capela do Seminário em Mariana, recebeu, segundo o livro de registro de ordens da Arquidiocese de Mariana, a ordem presbiteral pela imposição das mãos do Exmº. e Revmº. Sr. D. Silvério Gomes Pimenta, 9º Bispo e depois 1º Arcebispo da Arquidiocese de Mariana.
Após a ordenação, foi designado vigário coadjutor de Monsenhor Artur de Oliveira, na Paróquia Nossa Senhora do Pilar, em Pitangui. Em Pitangui, Pe Libério lecionou religião no antigo Ginásio Estadual.
Em 1923, Pe Libério foi transferido para a cidade de Pequi, onde foi nomeado pároco pelo Arcebispo de Belo Horizonte, Dom Antônio dos Santos Cabral. Em 1932, Padre Libério foi transferido para a cidade de São José da Varginha.
Em 1939, sob o patrocínio de São Sebastião, Padre Libério chega a Nova Serrana, então Cercado de Pitangui, onde permaneceu até 1945.
Mais uma vez transferido, Padre Libério foi nomeado Pároco da Paróquia São Sebastião, de Leandro Ferreira, onde ficou até 1965. Neste período – 1945-1965 – construiu a nova e suntuosa matriz desta aconchegante e simpática localidade, onde fez notar mais ainda sua atuação pastoral.
Em 1965, idoso e cansado, com 81 anos, por iniciativa de Dom Cristiano Portela de Araújo Pena, Bispo Diocesano de Divinópolis, Padre Libério foi transferido para a cidade de Pará de Minas, onde passou 15 anos, sem encargo paroquial, pois suas condições de saúde não mais lhe permitiam estar à frente de uma Paróquia.
Em 1966, Pe Libério celebrou o seu jubileu áureo, na cidade de Pará de Minas, com a alegria e o sorriso que lhe eram peculiares, rodeado de amigos e foi nessa ocasião que recebeu o título de cidadão honorário de Pará de Minas.
No dia 17 de julho de 1980, com 96 anos, Pe Libério muda-se para a cidade de Divinópolis, onde passou os últimos dias de sua vida, residindo com os pobres na Vila Vicentina, vindo a falecer no Hospital São João de Deus, no dia 21 de dezembro de 1980 às 23h45min. Seu corpo foi velado em Divinópolis, trasladado para a Catedral, onde foi celebrada a Santa Missa de corpo presente, presidida por D. José Costa Campos, ladeado por diversos sacerdotes. Logo depois, seu corpo foi levado para Leandro Ferreira.
No dia 30 de julho de 2012 no Salão São Jerônimo, no subsolo do Santuário Nossa Senhora da Piedade, em Pará de Minas, foi celebrada a abertura do Processo Diocesano sobre a vida, as virtudes e a fama de santidade do Servo de Deus.
No dia 12 de março de 2016 fez-se o reconhecimento dos restos mortais do Servo de Deus. Os restos mortais foram transportados solenemente para a Igreja Matriz da Paróquia de São Sebastião, em Leandro Ferreira – MG.
No dia 13 de novembro de 2016, na Catedral do Divino Espírito Santo, em Divinópolis foi celebrada a sessão de fechamento do Inquerido Diocesano sobre a vida, as virtudes e a fama de santidade do Servo de Deus.

(Italiano)
Sito registrato nella

(Italiano)