Isabel Cristina Mrad Campos

Isabel Cristina Mrad Campos


Biografia Sumária da Serva d Deus Isabel Cristina Mrad Campos
(1962-1982)

A Serva de Deus Isabel Cristina Mrad Campos nasceu em 29 de julho de 1962 em Barbacena (MG), filha de José Mendes Campos e Helena Mrad. Ela foi batizada em 15 de agosto na Igreja de Nossa Senhora da Piedade em Barbacena e crismada em 22 de abril de 1965 na Basílica de São José. Em 26 de outubro de 1969 fez a sua Primeira Comunhão no colégio das Filhas da Caridade de São Vicente de Paula.
Isabel, depois de ter terminado o segundo grau, foi morar em abril de 1982 em Juiz de Fora (MG) para frequentar o curso preparatório pra inscrever-se na faculdade de medicina. Ela desde o início achou na nova cidade um lugar para poder estudar, mas acima de tudo para rezar na Igreja do Cenáculo, onde era exposto o Santíssimo Sacramento.
A partir de 15 de agosto de 1982 foi morar num pequeno apartamento junto com seu irmão. Ela começou a arrumar a sua pequena moradia e comprou algumas coisas mais úteis e necessárias. Em 30 de agosto um rapaz ajudou Isabel a montar um armário. O trabalhou deu lugar a uma desagradável discussão que depois Isabel contou ao irmão e às amigas do curso. Dia 1° de setembro o rapaz voltou ao apartamento para terminar o trabalho começado, mas na verdade as suas intenções eram outras. Logo ele tentou se aproveitar da jovem Serva de Deus, mas sendo rejeitado por ela, passou a usar de violência: começou a agredi-la usando uma pequena cadeira, a amordaçou com pedaços de um lençol e a amarrou com cordas. Os seus vestidos foram completamente arrancados, o sádico agressor aumentou o volume do rádio e da televisão, mas Isabel conseguiu suportar tantas malvadezas dele para defender, com todas as suas forças, a sua pureza.
A perícia efetuada depois do crime reconstruiu nos mínimos detalhes todas as fases: o tapete foi achado coberto de sangue, ela recebeu quinze facadas, duas nas partes íntimas e trezes nas costas. Os médicos legais, depois da autópsia, atestaram que o assassino não conseguiu violentá-la. Ela preferiu morrer invés de ceder e perder a sua castidade.
Desde a sua adolescência ela fez parte da Associação de voluntariado das Conferências de São Vicente. Seu pai foi presidente do Conselho dos Vicentinos. Muitas pessoas testemunharam a sua constante participação à Santa Missa e aos Sacramentos. Ela cuidava das pessoas especiais, na escola era muito sensível às necessidades das crianças mais pobres. Nos seus cadernos não faltavam frases como: “Sorria, Jesus te ama!”. É muito interessante uma frase presente nos últimos cartões postais que ela enviou aos seus pais: “Espero que continuaremos a nos amar mais a cada dia que passa. Assim construiremos o nosso pequeno mundo cheio de amor, paz e amizade”.
Imediatamente a sua morte violenta foi considerada por todos um verdadeiro martírio e os fiéis a compararam à jovem mártir Santa Maria Goretti.
O seu túmulo, que está na igreja paroquial de Nossa Senhora da Piedade, em Barbacena, é meta de fiéis que vem das partes mais distantes do Brasil e os jovens colocam nela cartas com pedindo sua intercessão por uma graça.

Biografia:
Cifani Pinheiro, G., A Serva de Deus Isabel Cristina Mrad Campos. Virgem e Mártir, Mosteiro da Santa Cruz, Juiz de Fora, 2010.

Autor da Causa: Arquidiocese de Mariana

Iter da Causa:

Fase Diocesana
Arquidiocese de Mariana
– Nulla Osta
– Pesquisa Diocesana

Fase Romana
– Entrega dos Extratos à Congregação das Causas dos Santos: 28 de setembro de 2009
– Decreto de Validade Jurídica: 3 de dezembro de 2010

(Italiano)
Sito registrato nella

(Italiano)